The New & Avant-garde Music Store

Review

GC, Minimal, no. 18, November 1, 1998

Quem conhecesse já os álbuns Chanson du fil (1989) ou Les fleurs du tapis (1997) e as colaborações de Pierre Cartier nos ensembles Évidenoe ou Les Dangereux Zhoms, nunca esperaria um disco tão surpreendente quanto este. Ao baixista quebequense junta-se uma formação de mais nove elementos, em que predominam as vozes de Angèle Trudeau (soprano) e Noëlla Huet (mezzo soprano). Algures (não perdido) entre as estéticas do jazz e da música clássica contemporãnea, os poemas de Yves Bennefoy assentam na tapeçaria romãntica sugerida pela música. Do poeta, diga-se que ele é de origem francesa, onde nasceu em 1923. Da poesia, que ela foi culdadosamente recolhida da obra Du mouvement et de l’immobilité de Douve, publicada em 1953. Um belissimo disco que canta o amor e a morte aos ouvidos daqueles que vivem a expressão do jazz no plural.

By continuing browsing our site, you agree to the use of cookies, which allow audience analytics.