The New & Avant-garde Music Store

Review

Fernando Magalhäes, Quarta-feira, January 8, 1997

Todas estas “linguagens fentásticas” convergem no álbum do mesmo nome das Justine — Hétu, Labrosse, Danielle Roger e Marie Trudeau — , as quatro desestruturalistas do Apocalypso-bar, numa extensão lógica das Wondeur Brass. Langages fantastiques, segundo álbum do grupo, depois de (Suites), é o intercâmbio jubiloso de sensibilidades em sintonia na Rádio Fantástica. Sessão de frenético “vaudeville” agitado pelo choro lacinante do sax de Hétu. Captado ao vivo em estúdio na sequência de uma digressão pela Europa, Langages Fantastiques sumariza, de forma exemplar, a diversidade de premissas estéticas da Ambiances Magnétiques, uma editora em estado permanente de alerta.

By continuing browsing our site, you agree to the use of cookies, which allow audience analytics.